DUO MENAN DUWE E RAFAEL VELLOSO


Continuando a intensa programação comemorativa aos Cem do Conservatório de Música da UFPel, no dia 27 de abril às 19 horas, no Salão Milton de Lemos do Conservatório de Música (Rua Félix da Cunha, 651), acontece a estreia do Duo Velloso-Duwe. O evento é uma promoção do Conservatório de Música da UFPel e tem apoio da ASSAMCON. Coordenação Prof. Rafael Velloso. ENTRADA FRANCA






Piano e Saxofone
O duo do pianista Menan Duwe e do saxofonista Rafael Velloso, ambos professores do curso de música da Universidade Federal de Pelotas, foi formado no final de 2016 com o intuito de pesquisar e explorar as possibilidades de obras camerísticas tendo em comum um repertório brasileiro para seus instrumentos. No ano em que a Universidade Federal de Pelotas comemora o centenário de seu Conservatório de Música, o duo se prepara para a sua primeira montagem de um repertório inteiramente dedicado a esta formação, tendo como o objetivo mapear as propostas improvisatórias e de arranjo na escrita para saxofone e piano de Radamés Gnattali, interpretando as obras mais conhecidas e recriando parte do repertório do compositor com base na prática de música popular brasileira.
Menan Duwe – Pianista e professor de música, formado no curso de Bacharelado em Piano pela UDESC – Universidade do Estado de Santa Catarina e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Música da UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, na subárea de Práticas Interpretativas, sob orientação da Professora Doutora Catarina Domenici.
Rafael Velloso – Bacharel em Música com habilitação em saxofone pela Universidade Estácio de Sá, licenciado em Música e Mestre em Musicologia / Etnomusicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e doutor em Musicologia / Etnomusicologia Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Entre 2011 e 2015 iniciou a sua pesquisa de doutorado sobre Radamés Gnattali no Departamento de Música da UFRGS trabalhando no grupo de investigação GEM dirigido pela Dra. Elizabeth Lucas com o tema História e Agência da Música Brasileira.
Radamés Gnattali, pianista, compositor e arranjador nasceu em 1906 na cidade de Porto Alegre e se formou em piano no Instituto de Artes da cidade com o professor Guilherme Fontainha. Dono de uma técnica e criatividade muito admiradas, Gnattali se mudou para a cidade do Rio de Janeiro em 1932 e logo passou a  trabalhar em seus primeiros anos de vida profissional com arranjos de música popular, sem abandonar, porém, o estudo de seu primeiro e principal instrumento o piano. Em seus 30 anos de atividade na Rádio Nacional, Radamés, ou “Radar” como era conhecido pelos colegas músicos, observava com interesse os músicos que lhe chamavam atenção e logo compunha temas inspirados em suas práticas instrumentais. Foi assim que o compositor produziu um repertório variado, baseado na improvisação e intepretação de inúmeros músicos notáveis dentre eles alguns saxofonistas, tais como: Paulo Moura, Sandoval Dias, Zé Bodega e Luís Americano.
Programa
1–Bate–Papo
2–Caminhos da Saudade
3–Monotonia
4–Valsa Triste
5–Devaneio
6–Brasiliana N. 7    
     7–Uma rosa para Pixinguinha/Rosa
 8-Remexendo

Clube do Choro "Homenagem ao Centenário do Conservatório de Música e Jacob do Bandolim"

No terceiro ano de atividades, o Clube do Choro de Pelotas em Parceria com o Núcleo de Música Popular da UFPEL, vem trazer ao público Pelotense no dia 23 de abril, dia Nacional do Choro, o recital O Lado B do Jacob, em homenagem ao centenário do Conservatório de Música e a este importante músico brasileiro - Jacob do Bandolim. São 11 músicas que guardam diferentes perfis de choros não tão conhecidos do mestre, em diferentes formações totalizando 15 músicos no Palco. 


A apresentação será realizada no recém revitalizado Salão Milton de Lemos no Conservatório de Música da UFPel, no dia 23 de abril às 19 horas. Entrada Franca.

Clube do Choro Apresenta: O Lado B de Jacob

A cidade de Pelotas apresenta em sua história uma forte vocação boêmia e, nesse contexto, destaca-se a prática do choro como uma sonoridade local fortemente ligada à identidade brasileira. O Regional Avendano Jr., um dos principais grupos de choro da cidade em ativa desde a década de 1960, segue se apresentando semanalmente e conta ainda com dois músicos da sua formação original – o violonista Milton Alves e o cantor e cavaquinista Roberval Silva.

O Bar Liberdade, que fechou as portas em 2013, tornou-se conhecido em todo o estado através do documentário O Liberdade (Moviola Filmes, 2011) e foi, por 25 anos, o principal reduto do choro na cidade. O local, onde se apresentava semanalmente o Regional Avendano Jr., acabou se tornando um ponto de encontro de músicos e apreciadores do gênero. Com o fechamento do bar e o falecimento do compositor e cavaquinista pelotense Avendano Jr. outros músicos da mesma geração (jovens aspirantes, cantores e frequentadores do Liberdade) continuaram a se encontrar em locais alternativos evocando o ambiente musical e democrático que caracterizava o saudoso bar e suas reuniões. Essas vivências deram origem a outros grupos de choro, dentre os quais se destacaram, recentemente, o Sovaco de Cobra, o Ninho do Pardal e o Choro de Passarinho.

Foi neste contexto de renascimento do choro pelotense que em 2015 foi criado o Clube do Choro de Pelotas em homenagem a Avendano Júnior. Em março de 2016 o clube iniciou uma parceria com o projeto de extensão do Núcleo de Música Popular da UFPEL o NUMP, integrado por professores e alunos do bacharelado em Música, visando a ampliação dos encontros semanais para o estudo e a prática do choro que vinham sendo promovidos pelos integrantes do clube desde sua fundação.

Após dois anos de atividades o Clube do Choro, em parceria com o Laboratório de Etnomusicologia e o Núcleo de Música Popular da UFPEL, lançou O Caderno do Choro de Pelotas que tem como objetivo divulgar as composições dos chorões pelotenses. O caderno reúne dez composições de alguns músicos da nova e velha guarda do choro de Pelotas que tiveram contato direto e indireto com o Regional Avendano Jr.; além das partituras estão também incluídas histórias e narrativas musicais que contextualizam essas músicas e seus autores. O caderno pode ser acessado em:https://wp.ufpel.edu.br/bachpopmus/acoes/cadernos-do-choro-de-pelotas/
Página inicial